Nefropatia Diabética

O nefrónio é a unidade funcional do rim, existem milhões de nefronios e cada um trabalha na filtração do sangue e na formação da urina. Quando, ao longo de anos, as artérias são sujeitas e níveis de glicemia elevados, elas começam a ficar danificadas, este dano é ainda mais grave se coexistir hipertensão arterial.

O primeiro sinal da nefropatia é a existência de pequenas quantidades de uma proteína, chamada albumina, na urina. A presença desta proteína significa que, devido às lesões nas suas paredes, as artérias não conseguem impedir a saída da albumina, por isso, quanto maior a quantidade de albumina na urina, mais grave é o estado da nefropatia.

Em situações mais graves, a nefropatia pode culminar numa insuficiência renal, isto é, o rim deixa de ser capaz de realizar a sua função de purificação e é necessário recorrer à hemodiálise para que o sangue seja purificado.

É extremamente importante prevenir esta situação através de um controlo eficaz da glicemia.

A taxa de filtração glomerular deve ser avaliada anualmente na pessoa com Diabetes, é um valor que varia consoante o sexo, a idade e a superfície corporal. Como todas as complicações a nefropatia diabética pode e deve ser prevenida controlando os fatores de risco, mantendo o doseamento da microalbuminúria com um valor inferior a 30 mg na urina de 24 horas.

Na análise da albuminúria, se o resultado for negativo, deve repetir o teste após um ano, se o resultado for positivo, deverá repetir o teste 3 a 4 meses depois.

Neste segundo teste se tiver normalizado os valores, fará avaliação após um ano.

Quando os doentes chegam a uma fase de insuficiência renal é necessário o recurso à hemodiálise que consiste na substituição da função do rim por uma máquina. O rim tem a função de filtrar o sangue. A hemodiálise é necessária quando o rim perde esta capacidade de filtração. O sangue terá de passar por uma máquina que o vai filtrar substituindo desta forma a função do rim.

A nefropatia é mais frequente em diabéticos tipo 1 e tipo 2 quando mal controlados.

A incidência desta complicação é maior quanto maior for a prevalência de fatores de risco.

 

ref. (27) (28) (2)